Secretário afirma que relatório será votado sem dificuldades

O secretário Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, disse hoje (13), em Brasília, que não haverá dificuldades para a votação do relatório da proposta da reforma da Previdência. O relatório está sendo lido pelo relator, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), na Comissão Especial da Câmara nesta quinta-feira.

“Está havendo uma grande concertação no país, um entendimento generalizado que essa é uma pauta do país”, disse, ao deixar na comissão nesta tarde.

O secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, fala na abertura do seminário Previdência: por que a reforma é crucial para o futuro do país?

Rogério Marinho: a reforma “vai realmente ajudar a diminuir essa deterioração das finanças públicas”     (Arquivo/José Cruz/Agência Brasil)

Segundo o ele, o impacto fiscal estimado pelo relator de R$ R$ 1,13 trilhão em 10 anos é “relevante”. O governo previa economia de R$ 1,236 trilhão, em 10 anos.

file type icon

Parecer final sobre reforma da Previdência

“Vai realmente ajudar a diminuir essa deterioração das finanças públicas. Esperamos que o texto que está sendo lindo agora contemple o conjunto de aspirações que a sociedade tem em relação à Câmara. O ministro [da Economia, Paulo Guedes] sempre falou em um valor em torno de R$ 1 trilhão. Está muito próximo [daquilo] que o ministro travou como ideal para que tenhamos a possibilidade de reestabelecer nossa condição fiscal”, disse o secretário.

Estados e municípios

Marinho afirmou ainda está em negociação a inclusão de estados e municípios, retirados da reforma no relatório. “Espero que haja um desfecho favorável nessa negociação, que os governadores possam apresentar os votos das suas bancadas para que integrem o texto”, disse.

Sobre a capitalização, também excluída do texto, Marinho disse que há a possibilidade de um projeto ser apresentado “em um segundo momento”. A capitalização é um novo sistema proposto pelo governo em que cada trabalhador contribui para a própria aposentadoria.

Fonte –