Senado aprova MP que reestruturou governo; Coaf será transferido para a Economia


Texto editado por Bolsonaro perderia validade na próxima semana se não fosse aprovado. Transferência do Coaf foi incluída por parlamentares, e Planalto já informou que não vetará. Senadores reunidos no plenário nesta terça-feira (28) durante a votação da MP da reforma administrativa
Marcos Oliveira/Agência Senado
O Senado aprovou nesta terça-feira (28) a medida provisória (MP) editada em janeiro pelo presidente Jair Bolsonaro que reestruturou o governo e reduziu de 29 para 22 o número de ministérios.
Durante a votação, os senadores decidiram manter a alteração feita pela Câmara que transferiu o Conselho de Controle de Atividades Financeira (Coaf) do Ministério da Justiça para o Ministério da Economia.
Saiba como votou cada senador
Nesta segunda (27), o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, já havia informado que Bolsonaro não vetará a mudança.
Quando editou a medida provisória, o presidente transferiu o Coaf do extinto Ministério da Fazenda (atual pasta da Economia) para o Ministério da Justiça.
Durante a tramitação da MP no Congresso, porém, os parlamentares decidiram desfazer a mudança.
Na sessão, os senadores:
aprovaram por 70 votos a 4 o texto-base da MP, conforme enviado pela Câmara;
rejeitaram um destaque que previa o retorno do Coaf para o Ministério da Justiça.
O Coaf é um órgão de inteligência que atua no combate à lavagem de dinheiro e a fraudes financeiras.
Numa recente entrevista à GloboNews, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, afirmou que o conselho estará “melhor posicionado” se for mantido na pasta. Argumentou que, na Economia, o Coaf “tende a ser negligenciado” porque a pasta tem outras prioridades.
Contudo, nesta segunda-feira, Moro disse que será “ótimo” se o Coaf for mantido na pasta, mas, se não for possível, “paciência”.
Entenda o que é e como funciona o COAF
Validade da MP
A MP da reforma administrativa está em vigor desde 1º de janeiro e precisava ser aprovada pelo Congresso até a próxima segunda-feira (3) para não perder a validade
Como os senadores mantiveram o texto aprovado pela Câmara, a MP seguirá para sanção presidencial. Se houvesse mudanças, o texto retornaria para nova análise dos deputados.
O governo tinha pressa na aprovação da medida porque, se o Congresso não votasse a tempo, voltaria a valer a estrutura do governo Michel Temer com, por exemplo, 29 ministérios.
Diante disso, o presidente Jair Bolsonaro enviou uma carta ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), pedindo aos senadores para aprovar o texto conforme enviado pela Câmara.
Segundo Bolsonaro, os deputados mantiveram mais de 95% do conteúdo original da medida provisória.
O líder do PSL no Senado, Major Olimpio (SP), defendia a manutenção do órgão na Justiça, mas, após o pedido de Bolsonaro, disse que a legenda votaria pela transferência do Coaf para a Economia.
Bolsonaro pede ao Senado que aprove Coaf na Economia, e não mais na Justiça
Como foi a sessão
A sessão do Senado começou por volta das 18h, após uma reunião entre os líderes partidários e o presidente da Casa, Davi Alcolumbre.
Antes de iniciar a discussão sobre a medida provisória, Alcolumbre leu a carta de Bolsonaro.
A MP, então, começou a ser discutida, etapa que durou mais de três horas. Durante a fase de discursos, Omar Aziz (PSD-AM), defendeu a manutenção do Coaf no Ministério da Justiça. O parlamentar também fez um “apelo” para que Bolsonaro enviasse uma carta ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), informando que quer manter o órgão sob o comando de Sérgio Moro.
O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), na sequência, também citou a carta de Bolsonaro e disse que, para ele, quem não quer o Coaf no Ministério da Justiça é o próprio presidente da República.
“É importante registrar para que as redes sociais, para que os robôs, para que os seguidores fanáticos assinalem na cabeça com toda a clareza: quem não quer o Coaf no Ministério da Justiça é Jair Bolsonaro. Esse Senado faria por onde”, disse.
Depois, o senador Reguffe (sem partido-DF) afirmou avaliar que havia tempo para o texto ser modificado pelo Senado e reanalisado pela Câmara.
Em seguida, o senador Ângelo Coronel (PSD-BA) disse que o governo tem comportamento “pingue-pongue” porque, na avaliação dele, “quer jogar a culpa no pingue no Senado e no pongue da Câmara”. Em resposta, Davi Alcolumbre disse que “as pessoas evoluem”.
‘Cara da confusão’
Durante a sessão desta terça-feira, o líder da oposição no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), disse que a carta de Bolsonaro é a “cara do governo Bolsonaro” e a “cara da confusão”.
Randolfe acrescentou que o Senado não pode cumprir o papel de “carimbador” do que é aprovado na Câmara, numa referência ao pedido do presidente.
“Nós vamos atender ao que disseram as ruas no domingo. As ruas, no domingo, não disseram para o Coaf ficar no Ministério da Justiça? Se o governo é confuso, ele que arque com as confusões de ser governo. Ele que arque com as trapalhadas de ser governo. Se o senhor Bolsonaro quer instituir aqui no Brasil uma espécie de ‘chavismo de direita’, ele não conte com o Congresso Nacional para isso. Ele não conte com o Senado para esse conjunto de palhaçadas que ele está protagonizando”, afirmou Randolfe.
Após a fala do senador, Humberto Costa (PT-PE) disse que, se a base do governo estivesse organizada, votaria a MP de acordo com a orientação do presidente. “Imagina se todo presidente tivesse que mandar uma carta para aprovar uma proposta do governo”, acrescentou.
Outros pontos da MP
Além da transferência do Coaf para o Ministério da Economia, o texto aprovado:
reduz de 29 para 22 ministérios, sem recriar as pastas de Integração Nacional e Cidades;
não impõe limitação à atividade de auditores fiscais da Receita Federal;
transfere a Funai do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos para o Ministério da Justiça;
deixa, sob a alçada da Funai, a demarcação de terras indígenas, atualmente vinculada ao Ministério da Agricultura.

Fonte – G1 > Política